FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO ( Paulo, O Apóstolo - Paris, 1860 - "O Evangelho Segundo o Espiritismo" - Cap. XV, Item 10 - Allan Kardec)

Pelo espírito: Meimei

Colori sua vida com palavras positivas, e guarde no coração a certeza que sois bênçãos da mão do Pai.
"Sede perfeitos como eu fui", disse Jesus, pois ao acreditar na vida eterna, podeis se libertar das mentiras e ilusões que cercam tudo e todos.
Tende palavras de consolo, pois são elas que fazem confortar o irmão que está entregue a agonia e a dúvida.
Esteja disposto ao trabalho constante, porque é dele que faz nascer as mais belas bênçãos e a verdadeira esperança de um mundo melhor.
Sejam alegres em seu viver, expressem a satisfação da vida, para aqueles que te observam, vejam o quão grande é sua fé no amanhã.
Por fim, perdoem sempre para que cada perdão seja um novo recomeço com destino certo ao amor, paz e felicidade eternas.

Meimei

Psicografia: Danilo Martins
Comunhão Espírita de Brasília
Grupo Meimei
(8.4.2017 - 18h)

Amigo Espírito

Não tenha medo de falhar, busque primeiro a boa vontade de colaborar com tudo aquilo que esteja a seu alcance.
Os trabalhos cujo teor esteja repleto de boa vontade e desprendimento contam com as bençãos do céu.
Saibam todos que a terra passa por um momento de profunda carência afetiva e, mais do que isso, de compreensão e de paciência.
Assim se teus atos são afortunados por sinceros laços de amor e desprendimento, não se deve preocupar, porque como a terra ressequida do sol, nossos irmãos e irmãs se encontram ávidos pelas gotículas de caridade que podemos lhes consentir.
Além do mais, quem não erra? Nossa vida é composta de erros e acertos, tentativas e mais tentativas, para assim, por meio do esforço pessoal alcancemos os páramos da libertação individual.
Como é bom participar dessa obra, desse objetivo maior que constitui o verdadeiro porque de nossas vidas.
Apenas um singelo, mas importante conselho. É necessário respeitar o livre arbítrio de quem se ajuda.
O auxílio deve ser recebido espontaneamente, nunca imposto, pois cada um tem sua hora e seu momento, por isso, quando recusado devemos respeitar e não questionar ou criticar.
Claro, quando necessário que estejamos prontos para atender e nunca, em hipótese alguma, fazer lembrar a recusa anterior.
Se errarmos, se formos excessivos ou impositivos peçamos perdão a quem impomos nossa colaboração, e deixemos que cada um siga seu caminho em paz.
Todavia, não deixe jamais de endereçar suas preces a esse irmão ou irmã.
Lembrem do exemplo de Jesus, sempre aberto e pronto a quem quiser que fosse, mas em hipótese alguma impôs sua doutrina de regeneração a qualquer um, cada ser é livre para aceitar ou não.
Assim, só erraremos na ocasião em que forçarmos o recebimento ou a aceitação de qualquer ajuda.
Caso contrário, respeitando o próximo, e dando nossa contribuição na tarefa bendita do amor, do perdão e da fé estaremos sempre tomando a atitude correta.
Lembrem-se que, nunca e em momento algum estareis sozinhos, um segundo sequer, pois todos estarão conectados a bendita luz do Cristo maior.
Fraternalmente,

Amigo Espírito

Psicografia: Danilo Martins
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(19.11.2016 às 18h)

Amigo Espírito

A luz de Deus cobre todos os seres. A impressão, às vezes, de que ela não chega a algumas pessoas deve-se às nuvens de criação mental, que ofuscam essa luz e fazem com que ela não chegue, plena, ao seu destino.

Costumamos criar essas nuvens com preocupações desnecessárias, com egoísmo, ganância e vários outros sentimentos consonantes com nossa evolução espiritual.

Ao evoluir, é natural que os sentimentos melhorem de padrão vibracional e, consequentemente, as sombras se dissipem.

Em resumo, se a luz de Deus, por vezes, não alcança algumas pessoas, é porque elas mesmas se cobrem de nuvens e não deixam a iluminação passar. A solução é evoluir.

Amigo Espírito

Psicografia: Soraya
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(20.9.2016 às 18h)

Amigo Espírito

Dizem que somos irmãos e, portanto, devemos viver em harmonia.
Mas será essa a realidade? Colocamos em prática os ensinamentos recebidos na doutrina espírita?
É verdade que nem sempre é fácil colocar em prática o sentimento de humanidade.
Nesse mundo, em que vivemos, a desunião prevalece sob o espíritos de irmandade.
Observamos que a competitividade é a lida normal para os relacionamentos.
Até quando teremos que aprender uma coisa e colocar em prática outra?
Se ninguém tomar a iniciativa a transformação não se ordenará. Naturalmente, esse processo é doloroso e ingrato.
Isso, a palavra é ingratidão, a chave e a paga daqueles que se propõe a colocar em prática os ensinos de Jesus.
Não há outro caminho, pois vivemos no purgatório sentimental, sem oportunidade para repensar o modo de viver.
Mas Jesus foi hostilizado, os santos e homens de bens foram sempre repudiados. A paga pelo bem, via de regra, é a ingratidão.
Esse é o mundo em que vivemos, mágoas, incompreensões e intrigas. A competitividade supera e se sobrepõe ao espírito de irmandade.
Eis trabalhadores da seara do mestre, muito há o que se realizar, o trabalho é árduo e amplo.
Mas não é por isso que devemos retroceder, abandonar o campo e deixar que todo o esforço até agora empreendido seja jogado fora.
Esse é o mérito que irá coroar nossos esforços, a persistência na prática dos ensinamentos de Jesus.
Pouco a pouco iremos angariando novas almas à guiza da santa doutrina e, assim, alma por alma, poderemos florir o campo que hoje está repleto de espinhos.
Quanto as bofetadas, os escárnios e as ingratidões, quando a paga se transfigura por um mar de incompreensão, esteja certo que a humilhação sofrida, resignado no amor do Cristo aos que mais necessitam, serão todas apaziguadas pelo alto redentor, para então, aumentar a luz e o brilho de seu espírito.
Vocês todos sabem que o soldado que volta do campo de batalha ferido de guerra é recebido na pátria amada como herói, com honras e glórias.
Assim também todos vós, nessa empreitada tormentosa por um mundo melhor sereis feridos, mas exaltados na cristandade de amor e glória.
Avante irmãos, como cruzados à glória santa, envidemos esforços para que o ódio e a incompreensão sejam derrotadas e deitem no esquecimento, para que de lá restem apenas a lembrança dos tempos que a ignorância foi vencida pela fé, pelo perdão e pelo amor sem limites.
Irmandade redentora de todos os tempos levantem os brasões do cordeiro imolado e que a paz reine, verdadeiramente, nessa terra.
Assim seja!

Amigo Espírito

Psicografia: Danilo Martins
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(24.9.2016 às 18h)  

Espírito: Irmão Josepha

Tenha calma, leve os compromissos com paciência, não se afobe, não há necessidade disto.
Cada coisa no momento oportuno, nem antes, nem depois.
Querer apressar a solução de um problema, pode criar outro.
Deus sabe de nossas necessidades, e as atende na medida exata.
Paciência tem íntima relação com a fé em Deus.
Quando acreditamos, verdadeiramente, não nos deixamos abalar pelos entraves da vida.
Seja qual for o problema, tratamos mais como um momento de reflexão, do que como um infortúnio ou má sorte.
De todo caso, quando nos preocupamos por demasiado, dispersamos a preciosa energia, da qual tanto necessitamos ao bem cumprir dos nossos compromissos.
Sem dizer que, ao baixar o campo vibratório, criamos oportunidade para que forças desestruturantes operem em nosso ser.
Vós espíritas têm o solene compromisso de demonstrar sua fé, como dita raciocinada, pela paciência e pela calma que enfrentam os problemas do dia a dia.
Viva a fé como algo inafastável ao sucesso de tudo e de todos.

Irmã Josepha

Psicografia: Danilo Martins
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(10.9.16 às 18h)

Espírito: Irmã Francisca


A nossa querida e amada mãe, Maria de Nazaré, e toda sua falange de paz e de luz, vela e protege cada um de nós, dando o necessário, para que nos sintamos confortados e amparados, diante das mazelas da vida.
Nesse sentido, em suas orações, enderece seus pensamentos a esta hoste gloriosa e sinta o retorno da mais pura e bela energia penetrar em todo o seu ser.
Como a mãe zelosa e amorosa, deu os primeiros passos, da vida de Jesus, e agora, como mãe celestial cobre com seu manto sagrado, toda a humanidade.
Sendo mãe, sabe entender todos os nossos problemas, compreende nossas dúvidas, e sempre terá um conselho preciso, que as vezes, não traz uma resposta certa, mas que dá o amparo necessário, a fim de que as forças sejam refeitas.
Diz a oração: "Ave Maria cheia de graça..."
Graça bendita e louvada que lava nossas almas, dando vida nova à toda humanidade.
A ti Maria, nossa mãezinha querida e amada, nossos eternos e benditos louvores.

Irmã Francisca

Psicografia: Danilo Martins
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(20.8.2016 às 18h)

Espírito amigo


O nascimento de um filho não pode significar a morte ou a anulação dos pais como pessoas. É certo que o foco de vida muda, assim como o parâmetro de felicidade. O que não pode haver, no entanto, é a falta de investimento dos pais em si mesmos, a ausência de reserva do tempo para si próprio.
Ter filhos saudáveis ou não, que deem mais ou menos trabalho, muitas vezes não é opção atual, é compromisso passado. Contribuirá cada vez mais à saúde dos filhos a mente centrada dos pais. Esses, muitas vezes se deixam levar pela energia de sofrimento dos filhos e acabam por encobrir-se de nuvens, de forma que suas mentes ficam tão co-dependentes que deixam de descobrirem caminhos novos.
É importante, paralelamente às preocupações com a prole, manter a mente afinada, sintonizada com a espiritualidade. Alguns seguem as artes plásticas, outros a música e muitas outras formas há de tornar a mente leve, apta à ligação com o mais alto.
Independente da opção, ou da tendência, que os pais não se esqueçam de si mesmos, como seres humanos individuais que são, em relação a seus filhos.

Espírito amigo

Psicografia: Soraya
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(20.8.16 às 18h)

Espírito amigo

O ser humano é um celeiro de oportunidades. É um terreno, às vezes mais, às vezes menos fértil às infinitas possibilidades que carrega.
Se rega a sua terra com bons hábitos, bons pensamentos e fé, tem chance de uma colheita mais farta. O desabrochar das plantas lhes causa dor, muitas vezes o falecimento da semente para dar vez ao caule. Assim é o desenvolvimento do homem.
Crescer internamente, espiritualmente, exige a morte do egoísmo, da falta de caridade, da indiferença ao outro.
Se não há, no entanto, crescimento sem dor, também não há florescer sem regozijo. A satisfação de se ver melhor, capaz de trocar maus pensamentos por boas energias, é prazer inigualável.
Reguemos o nosso terreno com os adubos que já sabemos serem importantes. Tenhamos coragem de evoluir da semente para o broto, desse para a árvore e assim por diante. Não há limite para se tornar melhor.

Psicografia: Soraya
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(6.8.2016 às 18h)

Pelo espírito: Joana

Alteridade é a palavra de ordem, à nosso tempo.
Encontramo-nos em período de renovação e reencontro interior, sendo portanto, uma fase de redescobertas.
Redescoberta que, a bem da verdade, compreende o acesso aos arquivos pessoais, gerados e encerrados ao longo das precedentes encarnações.
Muito são, nesse contexto, os modos pelos quais, o homem encarnado, utiliza para definir Deus e para Lhe render graças.
Estamos em processo de efusivo aprendizado, momento fugaz que parte da colheita, para produção interior.
Consiste, nesse sentido, o caminho de unificação dos processos de fé.
Partimos do medo, para nos encontrar, na comunhão. fraterna, corpo e alma, em sintonia perfeita.
O reencontro genuíno com Deus é inevitável, nossa compreensão sobre sua obra, tem sido tralhada, burilada e vivificada em cada existência corporal, que nos foi concedida.
Portanto, o momento requer que exercitemos a alteridade, como ferramente de união, sendo resilientes nos momentos de conflito, pois, nada mais passa, do que um período de reflexão e reencontro.
Os espíritas, mais ainda os de hoje, é possuem a máxima obrigação de por em uso, todo conhecimento recebido, para sanar as dúvidas apresentadas, apontar os caminhos mais adequados e apaziguar os conflitos, momentos de fraqueza e dúvida.
Sendo quem somos, buscando o que buscamos, coloquemo-nos como os discípulos de Jesus, que foram enviados aos quatros cantos da terra, para pregar a boa nova, dando segurança, para afastar qualquer ponto de dúvida ou desavença.
Não se menosprezem, receberam a herança divina da revelação esclarecedora, obra iniciada por muitos iluminados, e que chega até vós pelas palavras do Cristo e de Kardec.
Sendo assim, cabe a cada um, dar sua parcela de contribuição, para fortalecer a fé dessa humanidade, que se encontra em franco e profundo momento de transformação.
Sua amiga e irmã

Joana


Psicografia: Danilo Martins

Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(13.8.2016 às 18h)

Amigo Espírito

Uma obra de cada dia.
Evite as preocupações futuras, portanto, desnecessários, estais por gastar suas energias, sem propósito.
Portanto, um problema de cada vez, lembrando que devemos por em prova a fé que depositamos em Deus, por consequência, na espiritualidade que nos assiste.
Certas situações, nos fogem a capacidade e compreensão necessárias a solução desejada.
Por mais que lutemos, para encontrar uma solução, por mais que desprendemos todas as nossas energias, todo o nosso conhecimento, toda a experiência galgada pela idade, nada se resolve, pois muito foge de nossa esfera de discernimento.
É necessário ter fé, confiar mesmo na direção maior que nos fortalece.
Sendo assim, haverá hora de ação, de trabalho, de força ativa, mas também, haverá hora de aguardar, de confiar na providência divina.
Portanto, a preocupação excessiva, além de desnecessária, é também nociva.
Nociva a ponto de esgotar nossas forças vitais e, por conseguinte, nos deixar doentes física e mentalmente esgotados.
Outro detalhe, de suma importância, diz respeito ao recebimento de ajuda.
Quando alguém (encarnado) se propõe a te ajudar, seja em qualquer situação, esteja atento, pois é esse o meio mais eficaz que a espiritualidade dispões, para lhe atender.
Temos, comumente, o hábito de nos sentir auto suficientes. De fato, não o somos.
Aceite de bom grado, aquele que se dispõe a lhe auxiliar, afasta-se da soberba, exercite a humildade que, seguramente, fará muito bem para sua alma.
Lembre-se, estamos em processo de aprendizado, e cada um de nosso lado, pode assumir, a qualquer momento, o papel de instrutor.
Repito, tenha mais calma e confiança na espiritualidade maior.
Desligue-se das preocupações desnecessárias, abra o seu coração, e tenha pleno acesso a felicidade, ainda aqui, enquanto encarnados.
É o mais profundo desejo, que cada um e todos se encontrem na plenitude e, assim, deem testemunho do amor de Deus, por todos nós.

Amigo Espírito.

Psicografia: Danilo Martins
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(6.8.2016 às 18h)

Pelo espírito: Irmão José


Sejamos como o orvalho que molha a terra, reconfortando a secura da vida, e trazendo o amor e a paz, tão esperada por todos que sofrem.
Você que está bem, que de certa maneira está equilibrado, tem a seu favor, a oportunidade de doar, à teu irmão, o que de melhor puder entregar.
Sabeis que a ordem maior, do Cristo Consolador, é para que sejamos um só corpo e espírito.
Nada adiantará se você estiver bem, se o téu próximo se encontrar em situação lastimável.
Compartilhar sua felicidade, com quem mais necessita é ato de fé e de caridade.
Sejamos, pois honestos com os propósitos que nos destinam, sem esmorecer, tracemos nossa meta, nas pautas de vida e de luz.
É pelo compartilhamento, pela colaboração, pela ajuda mútua que podeis transformar esse planeta, num lugar agradável e plenamente habitável.
Somos todos luzes e, dessa forma, estendemos essa luz ao alto, para que o máximo de irmãos alcancem a energia que brota, no âmago de cada um de nós.
Não receies de compartilhar, sob a preocupação de que essa felicidade é limitada, portanto, se extinguirá.
Essa felicidade nasce em seu coração, mas vem da fonte inesgotável, que é Deus Nosso Pai, de amor e misericórdia infindáveis.
Paz e luz.

Irmão José

Psicografia: Danilo Martins
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(30.7.2016 às 18h)

Pelo espírito: Chico

Não sei o propósito da ocasião, mas hoje Mei-Mei caprichou o figurino, para vir a reunião.
Cabelos penteados com uma flor amarela, broche adamantino na lapela e um sorriso reluzente a contemplar os pacientes a que espera.
Trabalhadores reunidos, para amparar os amigos, em quaisquer situação.
E aos irmãos ainda bravos e duros, não se esqueçam que aqui não há muros, só pontes, amor e compaixão.
Fiquem unidos pelo amor e devoção aos descaídos e sempre serão protegidos, alicerçados pelos nobres sentimentos  do coração.
De um amigo disposto a servir sempre.
Chico..

Psicografia: Mário Lacerda
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(23.7.2016 às 18h)

Um espírito amigo

A única proteção que se pode realmente ter, hoje em dia, é a da prece e do consequente vínculo com Deus.

Não percamos tempo. Aproveitemos as oportunidades múltiplas para orar. A vinculação da ideia de oração à citação mental de um texto é equivocada. O olhar que deseja a melhora de um doente é uma oração. Também é o silêncio em um momento de irritação a favor do próximo menos equilibrado espiritualmente.

Podemos estar em contínuo estado de oração, mesmo no nosso dia a dia atarefado.

Elevemos a Deus tudo que fizermos. Nosso trabalho da vida material: ao iniciar, peçamos a Deus que nos oriente. Mesmo pelas tarefas mais simples podemos estar gratos.

O estado da alma em constante gratidão gera ao redor de seu possuidor um campo magnético capaz de protegê-lo onde quer que ele esteja.

Espírito Amigo

Psicografia: Soraya
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(13.7.2016 - às 18h)

Um espírito amigo

Afinal, o dinheiro é bom ou ruim?
Entre as leis estatuídas por Deus, encontra-se a Lei do Trabalho.
Por meio do trabalho digno e sincero, que seus filhos crescem e evoluem.
O dinheiro é o resultado, consequente, do trabalho, mas não o seu fim.
Não há, outro caminho, se não pelo trabalho de que se vale o homem, para o seu adiantamento individual.
A segunda lei, que faz par com a Lei do Trabalho, consiste na Lei da Caridade.
Trabalho e caridade são as colunas mestras, que sustentam o crescimento ordenado de qualquer sociedade.
Portanto, quando tivermos a oportunidade de acrescentar a caridade, aos nossos trabalhos, façamos de bom grado.
Se do teu trabalho provêm uma renda considerável, não se sinta culpado.
Saiba que, se Deus dignou-lhe conceder que, de seus esforços, tivesse a oportunidade de colher fartos e vistosos frutos, é porque tendes mérito nesse resultado, daí graças então.
A fartura como a miséria são dois lados de uma mesma moeda, que necessitamos aprender a lidar, com sabedoria e discernimento.
A fortuna que lhe for confiada, não deve ser, de modo algum razão de seu atraso na ascensão evolucionista.
Dela, por exemplo, podeis dar aos que nada ou pouco tem. O mal não consiste, portanto, em tê-la, mas ter essa como objetivo de vida.
Siga seu caminho, escute a voz de sua consciência, seja honestos em seus propósitos, tenha como bandeira a força conciliadora da caridade.
Viva e faça ser feliz, todos quanto puder ajudar.
Use o que Deus lhe concedeu, só assim, estarás apto a prosseguir no eterno aprendizado do ser.

Espírito amigo.

Psicografia: Danilo Martins
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(9.7.2016 às 18h)

Um espírito amigo


Somos criaturas completas em essência, mas incompletos em formação.
Dentro de nossos corações, se encontram diversos conflitos que, no dia a dia, aprendemos a contornar, apoiados pela paciência e pela fé em Cristo Jesus.

Os conflitos internos podem nos flagelar, se não pudermos sopesar as razões que lhes alavancam.

Mas, nem sempre isso é possível. Ainda que busquemos respostas, não as encontramos.

Somos obrigados, portanto, na medida de nossas capacidades, lidar com as reviravoltas de nossa consciência e as dúvidas que nos assolam.

Não rara vezes, nos sentimos injustiçados e incompreendidos, porque não nos entendem.
As pessoas não nos entendem, são insensíveis, incompreensíveis, intolerantes, ou egoístas.
Todavia, esquecemos, nessa hora, de um detalhe importante.
Aquele ou aquela que compartilha a vida contigo, seu pai ou mãe, irmão, esposa ou esposo, chefe, colega de trabalho ou escola, também possui uma centena de dezena de conflitos internos, insatisfações e frustrações.
Eis o grande entrave, a encruzilhada da vida, talvez, um dos males que seja o princípio de todos os males, estou falando do egoísmo.
Quando nos sentimos incompreendidos, mal amados ou contrariados, estamos colocando a nossa vontade, a nossa razão como sendo a verdadeira, a mais importante.
Uma inquestionável e intocável posição de soberania, em outras palavras, estamos expressando o máximo de nosso egoísmo e de nossa incompreensão.
Não quero dizer, com isso, que em certas ocasiões, estamos ou nos sentimos fragilizados, exauridos, desatordoados.
Nessa hora, não compreenderá a melhor solução, atentar ao conflito, a discussão, a luta de razões.
Suas mazelas lhes pertencem, a mais ninguém.
Não use seu irmão ou irmã como válvula de escape, para suas frustrações.
Conversar pode e deve, trocar ideias seria bom, mas sem querer que sua razão prevaleça.
Se não observar essas considerações, estareis alçando à uma labuta de conflitos internos.
Fará derramar para cima de seu interlocutor, todos os conflitos e frustrações. Nada de bom pode suceder disso.
Somos perfeitos em essência, mas incompletos na formação.
Trabalho árduo na educação da vontade, caminho a ser trilhado por cada um de nós, sem direito a atalho.
Usemos de nossa inteligência e de nossa fé em Cristo Jesus, para suportar com dignidade, os pesares de nossas colheitas.
Quero que saibam, que não estão à sós, quando choram, internamente, são ouvidos sempre.
Nesse passo, recorra a Deus quando as forças lhes faltarem à inteligência.
Apoie-se na fé, como um naufrago se apoia na tábua da salvação.
Fé e oração sempre!

Um espírito amigo.

Psicografia: Danilo Martins
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(2.7.2016 - 18h)



Pelo espírito: Irmão José


A palavra como instrumento de libertação.
“Bendizei ao Senhor todos os dias, todos os dias bendizei ao Senhor”.
Tendes a seu favor um mecanismo fabuloso de transformação, melhor ainda, de transmutação.
Todos sabem que as palavras têm poder, e delas fazemos nossa vida mais feliz ou, ao contrário, mais pesarosa.
Segundo o exemplo de Jesus, e de todos os santos dessa terra, encarnados e desencarnados, permitamos que nossos lábios sejam o portal por onde só passem palavras de amor, de compreensão e de otimismo.
Ainda, que tudo mais se apresente dissonante, não desguarneça o propósito maior de bendizer a Deus, pela palavra.
A palavra consola e fortalece, uni e edifica, abre caminho, renova esperanças.
A palavra cura e liberta, salva o perdido, liberta o cativo.
Porque esse dom, vem direito de Deus, Nosso Pai, o Criador de tudo e de todos.
Não neguemos essa graça, a quem quer seja, pelo motivo que for. Esteja atento para esse dom, e somente o use como bálsamo santificador.
A palavra tem o poder de carregar a força da alma, quando Jesus falava às multidões, transportava materialmente, seu amor à todos os seus ouvintes.
Lembrem-se, nunca professem palavras de ódio, amargura e desânimo, pois essas serão seus grilhões, que impedirão de ascender aos páramos da libertação maior.
Honre o nome do senhor pela palavra doce e santa de amor, de devotamento, só assim, estareis praticando a máxima de Jesus: “Ame a Deus sobre todas as coisas e teu irmão como a time mesmo”.
Fraternalmente,
Seu amigo

Irmão José

Psicografia: Danilo Gustavo
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(11.6.2016 - 18h)



Pelo espírito: Irmão José

A solidão representa o processo de desligamento da conexão com Deus.
Esse processo constitui uma forma de auto martírio, sem demonstração lógica da verdadeira condição pessoal de cada ser.
No processo de desligamento social, negamos uma verdade universal, de que estamos imersos no mar infindável dos elementos.
Fechamos nossa percepção aos sentimentos mais profundos da conexão interior e exterior, cerramos o canal de ligação com nosso eu real.
A solidão configura-se pela negação da fé em algo que traz o equilíbrio e, por conseguinte, a compreensão de tudo e de todos.
O corpo como máquina conduzida, e aos comandos do operador e, instruído pelo sentimento de solidão, secreta substâncias que estancam o cérebro para futuras e possíveis conexões, materializando e cristalizando o processo de afastamento social.
Qual a solução para tal pesar?
Nos casos mais severos não desprezamos o atendimento médico, para dar suporte e, por fim, suprir a química alterada pela mente do operador.
Recomendamos, para os casos mais leves ou no processo inicial e, também, como terapia de apoio aos casos sob supervisão médica, a realização de atividades físicas, em especial, caminhadas em locais que permitam o contato com a natureza, sendo um elementos agregador e reparador do perispírito.
Orientamos, ainda, que criem uma rotina de obrigações e compromissos, como por exemplo, horários para acordar e alimentar-se, de modo que force, na medida de suas possibilidades, a conexão com o mundo que habita.
Sugerimos, também, que procurem grupos ou colégios de pessoas que se dediquem a uma atividade em especial, seria útil se pudésseis ingressar em algum grupo de atividades destinadas a distribuição da caridade.
Se, todavia, não se sentir pronto à participação ativa em qualquer grupo, comece a assistir colóquios de ideias altruístas, de modo que, possa se sentir influenciado à mudança.
Essas são algumas das possíveis ações destinadas ao seu melhoramento, mas antes de tudo, lembrem-se que nunca estais sós seja na alma como no corpo, porque em todas as dimensões nos encontramos conectados com as obras do Criador.
Como última orientação recomendo a ti, filho e filha do Pai amado, ore como a fonte que brota da terra, água viva que nasce a vida e a força vivificadora de todo o universos.
E, como fonte universal do Eterno Ser, encontre o caminho de reconexão com o mundo.
Seu amigo,

Irmão José

Psicografia: Danilo Gustavo
Grupo Meimei
Comunhão Espírita de Brasília
(28.5.2016 - 18h)

Pelo espírito: Irmão José

Nem ontem, hoje ou nunca seremos desamparados pelo amor de Deus, energia curadora e fortalecedora de nosso ser.
Por momentos difíceis já passamos, pois, nos afastamos da lei do Senhor mas, mesmo assim, por nenhum instante, ficamos desamparados, tendo em vista que, o amor do Pai é infindável, ainda que estejamos sentados no banco dos réus.
Vamos mergulhar nossa existência no rio purificador da verdade que liberta!
Lavando a alma nas águas refrescantes e curativas do amor universal, restauramos nossa saúde e nossa fé e temos a oportunidade de refletir sobre nossa verdadeira essência.
Escude seus passos na alegria de viver, permitindo que a corrente de fluídos vivificadores harmonizem o seu ser.
Desse modo, reparados e amparados pela piedade divina, firmemos resoluto compromisso de participar como colaboradores das hostes de filhos e filhas a disposição do Altíssimo.
Nos tornamos receptáculos da essência renovadora de Deus e, portanto, devemos partilhar à todos que dessa energia santificada se afastou.
Somos humildes fiadores de Deus, damos testemunhos da verdade e segurança de sua lei.
Nosso compromisso é transmitir ponto a ponto, alma a lama, Seu amor esclarecedor, que liberta e traz a certeza de que Deus nos ama muito mais do que podemos imaginar.
Pai de amor e bondade guarda no coração de seus filhos a verdadeira essência da vida, o amor pela palavra, o amor pela sua obra e, desse modo, permita-nos o entendimento que só pela comunhão seremos almas libertas e prontas para compartilhar o seu amor.
Fraternalmente,

Irmão José

Psicografia: Danilo Martins 
Comunhão Espírita de Brasília
(21.5.2016 - às 18h) 

Pelo espírito: Irmão José

"É dando que se recebe; e é perdoando que se é perdoado."
É preciso dar para receber, é necessário trabalhar para receber a paga pelo esforço empreendido.
O trabalho honesto e dedicado representa a máxima colaboração que o cristão pode dar na sua passagem pela prova da encarnação.
Isso significa que, a lei do trabalho, faz parte da unidade de leis que Deus destinou ao adiantamento dos homens, seus filhos.
Trabalhe, portanto, como propósito de sua renda aqui e, para isso, seja firme no seu objetivo de crescimento, não para ou no aguardo de recompensas, seja essa o crescimento de tua alma, que brota no trabalho, as flores da regeneração santificadora.
O trabalho é o símbolo da libertação, por ele, colocamos a mostra toda nossa fé e amor ao próximo.
O trabalho representa o que de mais puro devemos dar, porque por ele somos alçados da figura de criaturas para de criadores.
Por isso, peço humildemente e respeitosamente, eu em nenhuma ocasião, por mais cansativo e complicado que seja o trabalho a ti atribuído, não reclame, não desdenhe, não despreze a santa oportunidade de crescimento.
Se te deixarem sozinho, não se desespere, faça sua parte, na medida de suas possibilidades, mas faça com amor e fé.
O trabalho é a oração materializada no coração do cristão!
Trabalhem até o último dia de suas vidas, trabalhem até a última gota de energia, trabalhem até quando Deus aprouver permitir.
É pelo trabalho que podes honrar, verdadeiramente, o amor de Deus por ti.
Seu amigo,

Irmão José

Psicografia: Danilo Gustavo
Comunhão Espírita de Brasília
Grupo Meimei
(30.4.2016 - 18h)